Existem várias formas e se aprender um novo idioma. Algumas pessoas se identificam com uma enquanto outras conseguem se adaptar com qualquer método. Veja as principais estratégias de aquisição de idiomas e então nossa sugestão de como aprender mais em menos tempo.

Exposição e repetição

Muitas pessoas acreditam que estar em um país nativo da língua estudada é a melhor forma de se adquirir um idioma. Para uma criança isto até pode ser verdade, mas para um adulto nem sempre. Tudo depende dos hábitos deste adulto. É claro que em um país você será obrigado a se comunicar eventualmente na nova língua, mas se você não se dedicar, não aprenderá. Existem milhares de pessoas que não falam Inglês morando nos EUA. Eu pessoalmente conheço ao menos uma dezena de Brasileiros que moram ou moraram nos EUA ou Inglaterra e não se comunicam em Inglês.

Método Audiolingual

Um dos métodos mais famosos atualmente, o audiolingual condiciona o aluno a repetir partes de um dialogo até a completa memorização do mesmo. Métodos como Pimsleur e Michel Thomas apresentam estratégias de repetição com tradução das palavras através de áudios. Enquanto estes métodos funcionam bem para algumas pessoas com objetivos bem simples como se comunicar em uma viagem ou interagir com um estrangeiro limitadamente em alguns contextos específicos, o método não apresenta a lógica por trás da língua, portanto o aluno decora blocos de frases mas não saberia improvisar em caso de uma novidade. Outra desvantagem do uso somente do método é a falta de estratégias para controle emocional. Ao conversar com uma pessoa de verdade e se apresentar para a sala, você lida com diversas emoções que se não controladas adequadamente, podem atrapalhar o processo da fala a ponto de uma pessoa não se comunicar de forma alguma.

Ao combinar este método com um estudo aprofundado de como a língua funciona e de alternativas para as frases decoradas, enquanto se comunica com estrangeiros através de aplicativos e reuniões para prática, um estudante pode sem dúvida ficar fluente em um idioma e aproveitar de todos os benefícios de uma aula convencional de idiomas.

Método escolar convencional (presencial e online)

O método usado pela maioria das escolas de idiomas é bem parecido. Eles geralmente dividem o conteúdo em blocos de meses geralmente chamados módulos e testam se os alunos decoraram o conteúdo específico daquele módulo em atividades escritas e de desenvolvimento oral e escrito. O problema geralmente está na forma com que este conteúdo é dividido. A divisão de conteúdo foi feita há muito tempo atrás e alunos Brasileiros não foram levados em consideração na hora de tal divisão. Isso faz com que a compreensão de tal conteúdo seja muito difícil e a reprodução seja geralmente mecânica e memorizada. Muitos alunos acabam aprendendo o Broken English, ou Inglês quebrado, que é quando o aluno enraíza conceitos e fala de forma errada por toda a vida ou por muito tempo.

Nem tudo é negativo, muitas pessoas se comunicam bem com estes métodos, mas infelizmente isto exige frustração e dedicação extras e isto não se aplica a todas as pessoas.

Método autodidata

Um dos métodos mais utilizados hoje, o autodidata é o aluno que estuda por conta através de séries, dicas de blogs e recursos encontrados em sites como Youtube. Por mais que o aluno consiga criar seu próprio método de aprendizagem, o que geralmente funciona muito bem, algumas pessoas não conseguem criar a disciplina para continuar ou desistem antes de criar uma técnica com uma rotina adaptada a eles.

Temos muitos materiais para autodidatas que precisam de feedback e atividades gratuitas. Entre em contato conosco ou acesse nosso canal no Youtube, blog e página no Facebook!

Método cognitivo ou personalizado

O método cognitivo ou personalizado, usado em nossa escola (saiba mais), leva em consideração o perfil de cada aluno. Suas preferências, dificuldades com a língua e outros assuntos e até sua forma de aprendizagem são levados em consideração já nas primeiras aulas. O professor então desenvolve conteúdo de acordo com o nível de desenvolvimento de cada aluno e as explicações são baseadas em estratégias da programação neurolinguística, que levam em consideração o contexto do aluno para que o conteúdo faça sentido e possa ser compreendido individualmente. Assim a compreensão do aluno é a mais fácil e rápida possível. Os alunos são avaliados semanalmente através de atividades cotidianas e o professor toma a responsabilidade pela compreensão do aluno, ou seja, caso o aluno não desenvolva oralmente o conteúdo apresentado, o professor preparará outras atividades para que o conteúdo seja assimilado a ponto do aluno produzi-lo com pouca ou nenhuma dificuldade.

Os benefícios deste método são acessibilidade, uma vez que qualquer um pode aprender dados tempo e dedicação para alinhamento entre professor a aluno. Nós da ECI Brazil desenvolvemos nosso método de ensino e todas nossas atividades com base nos princípios da educação cognitiva, portanto nosso ensino é personalizado, o que tem ajudado muitas pessoas não só com idiomas, mas a descobrir que aprender qualquer coisa pode ser mais fácil e interessante quando suas dificuldades são levadas em consideração.

Se você já tentou aprender idiomas e não conseguiu, venha conhecer nosso método e se surpreenda! Seja como autodidata sem custo algum ou como nosso aluno matriculado, ficaremos felizes em ajudá-lo a aprender como aprender facilmente.

Textos e links que comprovam estes fatos:

Como a educação virou minha missão;
Conheça nosso método de ensino;
Por que nós não gostamos de aulas de Inglês em classe;
FATORES QUE MOTIVAM E DESMOTIVAM NA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA;
O Ensino de Inglês na Educação Pública Brasileira;
Os 7 pecados do péssimo professor de inglês;
Especialista explica por que os alunos não gostam da escola;
Por que ainda não somos fluentes em inglês?;
Brasileiros não sabem falar inglês: apenas 5% dominam o idioma;
Por que o ensino do inglês não decola no Brasil;
Um em cada 5 moradores dos EUA não fala inglês em casa;

População que fala espanhol nos EUA cresce 62% em dez anos;

In Miami, Spanish becoming primary language;

Why it’s good to speak Spanish in America;

17 Reasons Americans Should Be Embarrassed They Only Speak English.