Situação

Em 2014, tirei um período sabático e saí sem rumo em direção à America do norte. Passando pelo Panamá e cruzando os EUA, cheguei ao Canadá. Por estes países, minhas metas eram simples: Não falar Inglês e não gastar com acomodações. Estes objetivos foram alcançados com sucesso. Desta experiência tirei não apenas o método de ensino que uso hoje, mas também grandes lições para toda a vida. Neste texto, quero focar na importância de entender toda proposta que é feita a você e o papel crucial da língua neste processo.

O mochilão

Como disse, não tinha metas ousadas de autoconhecimento ou sequer um lugar específico que queria conhecer. Somei quanto tinha na conta após um acerto trabalhista, troquei por dólares, parcelei a passagem inicial e parti como pude até onde dava. De trem, ônibus, carona, ou o que seja. Sempre fui muito tímido e meio constrangido publicamente, portanto a experiência de convencer alguém a me aceitar e principalmente me manter em sua casa foi incrivelmente construtiva. Ao chegar em Montreal, conheci um possível anfitrião incrível, com muita experiência profissional e de viagem que sem dúvida poderia me ajudar muito! Fiquei animado e tentei manter meu plano e falar apenas Francês. Tudo ia muito bem, conversamos muito, procurei referências na internet (em Francês) e todas foram positivas. Ótimo! Vamos para sua casa.

A pergunta que não entendi

Durante nossas conversas e também em seus perfis online, era clara a afirmação que meu amigo é naturalista. O problema é que ao ler e ouvir esta afirmação em contextos não muito claros, uma vez que não entendia Francês completamente, me fez ignorar ou pensar que isto fosse um movimento artístico ou um estilo de vida saudável. Mas não era. Naturismo era um outro movimento  de estilo de vida do qual eu jamais havia ouvido falar, e talvez você também não. Chegando na casa de meu amigo, percebi algumas coisas diferentes em seu discurso de estilo de vida que envolvia roupa e contratos sociais. Não me liguei muito, pois estava há alguns dias sem tomar um banho decente ou dormir em uma casa gostosa.

A surpresa

Após tomar um belo banho e me alojar em meu próprio quarto no sótão, subi para cumprimentar meu anfitrião e a surpresa: Ele estava como veio ao mundo. Isto mesmo, ele estava nu. Imagine meu desespero: estava longe de qualquer estação de ônibus ou trem, era inverno e tudo estava literalmente congelado e eu preso em uma casa com um naturista em ação. Foi a primeira e única vez em minha vida que realmente me desesperei. Foi  impressionante ter aqueles sentimentos e a retrospectiva das conversas me veio muito rapidamente, me fazendo perceber que ele havia dito tudo aquilo. Eu é que não entendi.

O papel crucial da língua

Por sorte nada demais me aconteceu. Foi uma experiência extremamente constrangedora inicialmente, mas depois pude crescer muito em diversos aspectos. Um dos aprendizados ao viver com este grupo é que não há roupa que cubra a maldade e sensualidade humana, portanto a nudez não necessariamente é um instigante de instintos sexuais. Se você me perguntar, porém, o que eu faria se entendesse todo o contexto antes de aceitar a proposta, diria que não a aceitaria. A falta da fluência no Francês me levou para uma situação que graças a Deus não era perigosa e acabou até me ajudando a crescer. Imagine se fosse um canibal que pede um pedacinho de carne a cada dia hospedando você?

Conclusão

Brincadeiras à parte, muitos dizem que é possível viajar e se virar muito bem sem falar a língua local. Eu não posso discordar, mas este pequeno relato é apenas um mero exemplo do que você pode passar ou perderá da cultura local se não entender o que as pessoas têm a dizer corretamente.

Uma viagem, não importa para quão longe seja, é sempre uma experiência de crescer, melhorar e trazer melhorias para sua comunidade e as pessoas que estão nela. Se você não entende a língua falada, como pode adquirir o máximo de experiências, histórias e informações sobre a cultura que visita?

Após esta viagem, procuro sempre entender bem tudo que me é pedido e proposto. Esta característica me ajudou muito especialmente nos estudos, com empreendimentos próprios e em minha vida pessoal. Você não precisa passar por um perrengue destes para aprender esta simples lição: Entenda tudo que for proposto a você e questione tudo que pode –  antes de aceitar qualquer coisa, ou você pode ficar até sem suas roupas.