Um dos impedidores dos Brasileiros aprenderem Inglês com mais facilidade identificados por nós durante nossas pesquisas e experimentações foi a forma com a estrutura básica da língua Inglesa é ensinada. De fato existem vários outros motivos e eles serão descritos aqui em breve, mas se eu tivesse de escolher apenas um para resolver primeiro, seria este.

Pular para explicação da estrutura dos verbos

Ao não entender o funcionamento da língua-objetivo como um todo, o aluno não consegue criar processos linguísticos reais e passa a reproduzir o que o professor diz ou pede. Muitos alegam que esta forma é como um bebê aprende e portanto uma hora ou outra o aluno sai do famoso “período de silêncio” e começa a – magicamente – falar naturalmente. Não posso alegar que isso é falso, pois muitos, inclusive eu, aprenderam assim, mas um bebê é como uma folha em branco e portanto não precisa aprender novos padrões ou conceitos, pois o que os pais dizem se tornam seus novos padrões e conceitos. Um adulto já vem com seus conceitos, atitudes, padrões e níveis hierarquicos e acadêmicos formados, portanto usar a mesma estratégia com ele, em nossa opinião, não seria tão adequado. Nossa proposta é que o processo de aprendizagem seja mais rápido e menos complicado para o aluno.

Para que isso ocorra, criamos um método diferenciado e vamos destacar estratégias, recursos de dicas ao longo de postagens e nosso curso gratuito no YouTube, portanto não deixe de se inscrever em nosso canal!

Nesta postagem, gostaria de destacar a diferença entre os usos dos verbos em Português e em Inglês. Ao compreender tal diferença, o aluno torna-se apto a criar processos mentais iguais ao de um Americano, ou seja, passa a criar a estrutura gramatical do Inglês ao pensar no negativo, interrogativo e no uso de modais e verbo to be. Para tanto, o aluno precisa entender a estrutura dos verbos em Inglês, que será explicada a seguir.

Estrutura dos verbos

Funcionamento e tipos de verbos

A língua Inglesa usa verbos assistentes, ou seja, verbos que ajudam os verbos normais a trocar de funções gramaticais. Um bom exemplo disso é a tradução da frase “Eu não jogo futebol” que ficaria “I do not play soccer“, mas por quê?

Os verbos normais – aqueles que representam nossas ações, só têm autonomia para indicar tempo sozinhos no presente e passado do afirmativo.

Ex.: Eu jogo futebol -> I play soccer

Ex.: Eu joguei/jogava futebol -> I played soccer

Já no interrogativo negativo e também no futuro do afirmativo, os verbos normais precisam de uma ajudinha de verbos que indicam o indicam tempo (que também são chamados de auxiliares) para indicar estes tempos, pois como foi dito, eles sozinhos não têm este poder. Tendo isto em mente, vamos aos exemplos:

Obs.: Não se preocupem com como eles estão distribuídos na frase, o objetivo agora é entender que existem verbos que auxiliam na indicação do tempo e algumas outras funções gramaticais.

Ex.: Você joga futebol? -> Do you play soccer?

Ex.: Você não jogará futebol -> You will not play soccer.

Ex:. Você jogou futebol? -> Did you play soccer?

Ex:. Você está jogando futebol? -> Are you playing soccer?

Coloquei o verbo to be ou Ser e estar no último exemplo pois muitas pessoas fazem uma grande confusão na hora de criar processos mentais com este verbo. Tudo que o aluno precisa compreender é que o verbo to be também funciona como um verbo assistente, porém muitos professores falham em transmitir ou sequer compreender tal fato. Para criar processos mentais mais amplos e fáceis de se lembrar e entender, o aluno precisa entender que todos os verbos assistentes concorrem pela mesma vaga na construção gramatical e que as únicas alterações serão no local onde o verbo assistente é colocado, a função de cada um e pequenas variações na conjugação de acordo com cada pessoa.

Faça um teste de sua compreensão agora mesmo. Quero que você diga três frases que estão abaixo, mas antes quero que você entenda o seguinte:

Do é o verbo Auxiliar que indica o presente. Quando conjugado por uma pessoa que não está na sua conversa, ou seja, ele, ela ou ele/ela para não humanos, o DO se torna DOES, pois os verbos comuns conjugados por essas pessoas vão pro plural no presente.

Did é o passado de do, portanto é também o verbo auxiliar que indica passado.

Will indica que as ações serão executadas no futuro.

To be representa SER ESTAR, portanto é usado em frases do presente contínuo (Eu estou jogando).

O detalhe do verbo to be que parece assustar muitas pessoas é que ele muda de acordo com cada pessoa, diferente dos outros verbos auxiliares. Sabendo disso, basta buscar associar as conjugações:

Basta associar que para “EU” usa-se AM, enquanto para uma pessoa fora de nossa conversa (ele/ela para humanos e não-humanos) usa-se IS enquanto para os outros ou plural usa-se ARE.

AM (Eu sou / estou)

She IS (ela é / está)

He IS (ele é/está)

It IS (ele/ela é / está)

We ARE (Nós somos / estamos)

They ARE (Eles são/estão

You ARE (Você é/está |  Vocês são /estão)

Todos eles vão depois da pessoa no negativo e antes da pessoa no interrogativo e como mencionado acima, DODID não são usados no Afirmativo.

Frases para você dizer em voz alta (troque o tempo pelo auxiliar que o representa) :

Eu não jogo futebol (Presente e negativo)

Eu presente não jogo futebol

Vocês jogaram futebol? (Passado e interrogativo)

Passado vocês jogar futebol?

Eles lerão o livro (Futuro afirmativo)

Eles futuro ler o livro

Condicional ou Futuro do Pretérito

Outra coisa importante de se notar é que os verbos do Inglês não têm autonomia suficiente para conjugar formas condicionais. Para tanto, usa-se o verbo modal would.

Ex:. Eu jogaria futebol -> I would play futebol

Por ser um verbo modal, as formas interrogativa e negativa são iguais aos dos verbos indicados anteriormente.

Negativo: I would not play soccer

Interrogativo: Would you play soccer

Tenho certeza que você teve sucesso! Se você teve algum problema, leia novamente e se o problema persistir, entre em contato conosco!

Um dos grandes problemas de um Brasileiro ao aprender uma nova língua é não conhecer ou fazer mau uso de sua língua nativa. Em breve publicaremos algumas das piores utilizações do Português para quem quer aprender Inglês. Uma dica de antemão a você que leu esta postagem até o fim é: Não use “vou” para indicar ações futuras!!

Não perca nossos próximos vídeos, pois ensinaremos você a criar processos linguísticos de uma forma rápida. Você pensará como um nativo na língua na hora de formar frases no negativo, interrogativo e afirmativo.