Daniel Leão, meu ex-aluno de Inglês e amigo se mudou para o Canadá recentemente. Pensei que seria uma boa ideia captar suas impressões iniciais para ajudar outros amigos que pensam em ir ou já estão planejando sua imigração.

 


  1. Antes de mais nada, para que cidade se mudou e como surgiu a vontade de sair do Brasil? Muitas pessoas têm o tal sonho Americano mas assim que têm filhos e empregos bem sucedidos, o sonho geralmente adormece. O que aconteceu no seu caso?

         Mudei-me para Toronto (ON, Canada) em 20/04/2016. A vontade de sair do Brasil veio há muito tempo atrás, mas por conta de estarmos em boa situação naquela época colocamos esse projeto em segundo plano.

Quando começamos a pensar em imigrar, em meados de 2012, eu e minha esposa tínhamos somente um filho e sabíamos que essa escolha afetaria a família toda de forma irreversível. Precisava ser muito bem planejado. No meio do processo, veio ainda nosso segundo filho. Motivou ainda mais nossa decisão. Em nenhum momento foi um impulso.

  1. Como foi o início do processo? Foi uma decisão rápida ou houve um período de tomada de decisão / preparação? Como foi este processo?

         Não foi de início que escolhemos a cidade de Toronto para estabelecer nosso lar, mas estava em nossos estudos. Digo isso, pois pensamos em diversas possibilidades: Nova Zelândia, Austrália, Reino Unido, Canadá… Mesmo no Canadá, Tínhamos muitas outras opções como Vancouver, Quebec, Montreal e várias outras cidades menores.

Pusemos todas as condicionantes que tínhamos para pensar a respeito: línguas, clima, geografia, aceitação social (preconceito de imigrantes) e viabilidade de empego. Durante muito tempo, pensamos em ir para Quebec, onde a primeira língua falada  é o francês. Isso foi um imenso problema, pois em nossas pesquisas, somente as pessoas que iam para a província de Quebec estudar francês tinham conhecimento “desse” francês. O francês quebequense é diferente do falado na França. Mesmo tendo começado a estudar o francês no brasil, isso foi uma condicionante para mudarmos o foco do lugar para onde iríamos.

Cabe falar que a província de Quebec trabalha com 2 processos de imigração, o federal e o provincial (“estadual”). Por esse motivo, durante muito tempo muitos imigrantes vieram para o Canadá entrando por Quebec. 

  1. Qual era a sensação durante este período anterior à imigração? Como você imaginava que seria?

Uma decisão dessas, muda toda sua vida, se você se acomodar um minuto se desmotiva de continuar.

Buscávamos sempre notícias locais e de processos imigratórios de pessoas que tiveram sucesso. Sempre buscávamos pontos a favor para nos motivar. Claro que tínhamos que pensar com o pé no chão e de forma a não se tornar uma fantasia. Pois é muito fácil ver uma pessoa sair do país e ter sucesso lá fora e pensar “Claro, fora do Brasil tudo é melhor!” Não é. Existem pessoas que se frustram  quando chegam, existem pessoas que fracassam. Tudo é questão de se analisar o contexto e os porquês desses cenários.

Sempre leve tudo em consideração.

  1. Quais foram as maiores dificuldades antes de sair do Brasil (emocionais e práticas) ?

A primeira dificuldade, pensando na prática é o idioma. Querendo ou não, por mais que você saiba falar outra língua, o contato constante com ela no “campo de batalha” ainda é uma barreira. No meu caso será por um bom tempo, pois meu inglês macarrônico ainda é bem fraco para a necessidade que eu tenho. Não é um curso de inglês (por melhor que seja) que vai te dar todo o preparo, somente o contato constante com a língua.

Tivemos grande angustia na aquisição do visto, não por medo de ser negado (também, mas menos), mas pela demora que estava acontecendo. Nesta fase já tínhamos um cronograma marcado, pois minha esposa já tinha data de inicio das aulas, e o atual cenário econômico prejudicava com nossa permanência no Brasil (o dólar canadense estava ficando muito caro).

Tínhamos também nossos pertences… Viemos com 4 malas cada um. Só. Vendemos todas as coisas de casa, o carro e pusemos o apartamento disponível para locação. Pensa só, conciliar todo esse cronograma foi sofrido. Isso porque nem mencionei a compra das passagens… estavam muito caras por terem sido compradas apenas 40 dias antes. Nosso “start” se deu a partir do momento da liberação de nossos vistos. Por isso tivemos que correr.

  1. Chegando no País destino, quais foram seus primeiros desafios e surpresas? Descreva seus desafios iniciais.

Tudo bem, o meu inglês é ruim mas não péssimo, sabíamos como pegar o taxi hehehehehe.

Bem, Toronto é uma cidade com um custo de vida alto. Foi isso que eu li e até me preparei. Mas na verdade, tem um custo de vida muuuuuuito alto, e isso me frustrou um pouco. Não vou nem entrar na questão imobiliária pois falaria horas aqui. Mas no mercado por exemplo, o preço da carne e da cerveja é o mesmo que no Brasil. A diferença é a moeda!!! Uma latinha de 500ml da cerveja mais barata é C$2.00. A carne a mesma coisa, 1kg de um corte similar ao contrafilé não sai por menos de C$25.00. Isso me assustava um pouco. Muita coisa compensa claro. A grosso modo de pensar, toda manufatura sai mais barata e o que depende de mão de obra e ou não sobrevive ao frio extremo é bem mais caro.

  1. Ao se estabilizar, suas expectativas foram satisfeitas? Descreva sua sensação nos primeiros dias como imigrante.

         Com certeza é satisfeita sim. Estamos muito felizes e esperamos ficar por aqui o maior tempo possível. Aqui é tudo muito lindo e as pessoas apesar de mais frias são muito receptivas.

         Ainda estou me acostumando com o trânsito… Você pode avançar o semáforo vermelho para fazer a conversão à direita (só). Porém, ahhhh, esse porém… Se o pedestre “olhar para a rua” os carros param pra você atravessar! É direito do pedestre e dever do carro, e FUNCIONA! Morro de medo desse modelo, mas é uma questão sociocultural. Toronto também tem um dos piores trânsitos do mundo, mesmo por quê todo o cenário urbano mundial esta tratando o transito como algo a ser desincentivado. Tá bom, parei de falar de transito senão vai mais 218 paginas só disso.

  1. Quando você terá / teve a sensação de “Valeu a pena” em sua opinião?

         Valer a pena já sabíamos que tinha valido ainda no aeroporto, pois já estávamos fora da nossa zona de conforto do “vou sair desse país que não funciona”. Eu  de fato saí! Daqui pra frente tudo será uma excelente experiência.

Isso vale a pena sempre.

  1. Muitas pessoas têm perfis compatíveis mas deixam de imigrar pelo velho dilema Brasileiro de sair de perto da família. Você sofreu ou sofre disso? Descreva formas de contornar este dilema em sua opinião.

         Sim e não. Estou aqui com minha família (esposa e filhos), mas sentimos falta de nossos pais (os avós) e dos amigos. Pensei que lidaria melhor com a saudade, mas só na pele mesmo é que se pode ter a noção. De modo geral estamos muito bem. A tecnologia hoje favorece que você se comunique com eles a baixo custo.

  1. Se pudesse dar dicas de estudos a jovens que desejam mudar sua vida assim como você o fez, quais seriam os temas de estudo que os jovens deveriam abordar? Não apenas para o País em que está indo, mas com uma visão geral que você teve durante suas pesquisas e preparo.

         Primeira coisa seria o idioma, tão óbvio e tão necessário. Com a razão de ser todo esse clichê.

         Depois disso, seria pesquisar muito o que você quer, não de forma fantasiosa onde você vai para o “país do futuro” ou a “terra sem problema”. Essas são as principais causas de frustração de quem imigra.

         Não fuja de seu país se não for por motivo extremo. Mas venha sim conhecer ou morar num país melhor, de forma que não seja para se acomodar, mas para trabalhar, estudar, conhecer, e também desfrutar. Nenhum país do mundo vai te pagar pra te ter. Isso é ilusão e ou marketing apelativo e mentiroso.

         Eu saí do Brasil para trabalhar. Trabalhar mais e estudar. Aplicar meu conhecimento em prol de algo. De maneira nenhuma vim pra cá porque o iphone é mais barato. E odeio iphone!

  1. Por último, qual a importância de uma segunda / terceira língua em um mundo globalizado em que vivemos?

         O Brasil está muito atrasado com o ensino básico. Perde-se muito tempo com coisas que pode-se aprender em faculdade e falta muito do estudo de base. Não cito só o Inglês que deveria ser obrigatório, mas também matérias de conhecimento social, tipo Educação Moral e Cívica, Organização Social e Política, Estudos Sociais além da geografia, história e ciências.

Mas focando em línguas, eu acho que a TERCEIRA língua já é bem necessário e enfatizo, inglês É FUNDAMENTAL!!!

Neste momento, Daniel, abro para que você dê sugestões de ferramentas, sites para estudos e pesquisa sobre imigração e contato com recrutadores. Sinta-se à vontade para dar sua mensagem aos Brasileiros – jovens de pouca ou muita idade que já não aguentam mais seu País mas não sabem sequer como começar tal processo ou têm medos derivados dos dilemas Brasileiros. Se possuir um diário de viagem ou site para dicas e consultoria que queira divulgar, sinta-se à vontade! Este artigo será articulado não apenas em minhas redes de contatos, mas também na secretária de ensino das cidades da RMC e em toda palestra que eu fizer a partir de sua resposta.

         Uma dica que dou (repetindo) é: Não fuja de seu país (a não ser por motivo extremo). O Brasil tem muitos problemas mas também tem muitas qualidades, basta ver as coisas de outra perspectiva. Nesse conceito, saia sim do seu país por conta de algo melhor pra você. Venha trabalhar, estudar, conhecer novas culturas. Ahhhh, uma curiosidade é que Toronto é a cidade mais multicultural do mundo. 51% da população é de imigrantes. Quer conhecer algo diferente? Venha pra Toronto e ponha-se à prova de que não tem preconceitos! Você vai se surpreender. Eu adorei.

Uma coisa muito legal pra alugar espaços para temporada, e que pouca gente conhecia no brasil é o airbnb.com. Sai mais caro que alugar (de forma normal) mas é bem mais barato que hotel. Meu primeiro mês foi num basement que consegui no airbnb até conseguir meu apartamento fixo!

Muitíssimo obrigado pela atitude e conte comigo pro que precisar!